MENU

Anterior

Baleia jubarte vira amiga de um grupo de golfinhos

Próxima

Próxima

Remover as unhas do seu gato poderá ser banido...

Próxima

19/01/2015 Comentários (1) Visualizações: 5104 Cachorros, Gatos, Notícias

Quase metade dos brasileiros é contra testes em animais

De acordo com uma pesquisa recentemente divulgada pelo Datafolha, 41% dos brasileiros são contra os testes realizados em animais. O estudo conduzido a partir de um pedido do Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ) mostra que quase metade dos que residem no Brasil “discordam plenamente” do uso de animais em laboratório.

A enquete realizada com 2.162 participantes mostrou ainda que 36% dos entrevistados acreditam que a prática deva continuar, enquanto 18% concordam parcialmente com esta posição.

O estudo do Datafolha apontou que quanto mais jovem a pessoa é, maior é sua aversão à prática. Na região sul do país, independentemente da idade, a maioria das pessoas é contra este tipo de teste, defendendo que com a tecnologia atual, existem meios tão eficazes quanto e menos invasivos.

No ano de 2013, essa questão voltou de maneira abrupta às pautas de discussão no país depois que um grupo de ativistas invadiu o Instituto Royal sob a alegação de maus tratos. Dentre outros animais, mantinha muitos cachorros da raça beagle para testes e estudos. Para ONGs voltadas à causa animal, os bichos sofriam passavam por experiências extremamente dolorosas e desnecessárias e estavam correndo o risco de serem executados.

 Entenda: por que Beagles são os cães mais usados em testes de animais?

Métodos alternativos para testes em animais

No final de 2014, o Conselho Nacional de Experimentação Animal (Concea) apresentou aos membros da indústria farmacêutica 17 métodos alternativos para as pesquisas em animais no Brasil. Ainda segundo a resolução normativa publicada no diário oficial, as indústrias farmacêuticas têm até 5 anos para substituir o uso de animais em testes por tais métodos alternativos, quando relacionados a esses 17 aspectos.

Os 17 métodos apresentados tem como objetivo mensurar o potencial de absorção, sensibilização e irritação de tecidos, como pele e olhos, fototoxicidade e genotoxicidade. José Mauro Granjeiro, coordenador do Concea, aponta que “a mudança deve permitir uma redução significativa do emprego de animais em estudos toxicológicos. Esses desfechos permitem avaliar um grande número de produtos, não apenas cosméticos, mas também agrotóxicos, medicamentos, saneantes e compostos químicos industriais, como tintas utilizadas em brinquedos ou materiais escolares”, exemplifica Granjeiro. “Isso tudo é testado em animais e vai passar a ser feito com técnicas in vitro.”

Abaixo, seguem os 17 métodos aos quais as empresas devem se adequar:

Potencial de irritação e corrosão da pele

1) OECD TG 430 – corrosão dérmica in vitro: teste de resistência elétrica transcutânea
2) OECD TG 431 – corrosão dérmica in vitro: teste da epiderme humana reconstituída
3) OECD TG 435 – teste de barreira de membrana in vitro
4) OECD TG 439 – teste de irritação cutânea in vitro

Potencial de irritação e corrosão ocular

5) OECD TG 437 – teste de permeabilidade e opacidade de córnea bovina
6) OECD TG 438 – teste de olho isolado de galinha
7) OECD TG 460 – teste de permeação de fluoresceína

Potencial de fototoxicidade

8) OECD TG 432 – teste de fototoxicidade in vitro 3T3 NRU

Absorção cutânea

9) OECD TG 428 – método in vitro de absorção cutânea

Potencial de sensibilização cutânea

10) OECD TG 429 – sensibilização cutânea: ensaio do linfonodo local
11) OECD TG 442A – versão não radioativa do ensaio do linfonodo local
12) OECD TG 442B – versão não radioativa do ensaio do linfonodo local

Toxicidade aguda

13) OECD TG 420 – toxicidade aguda oral: procedimento de doses fixas
14) OECD TG 423 – toxicidade aguda oral: classe tóxica aguda
15) OECD TG 425 – toxicidade aguda oral: procedimento “up and down”
16) OECD TG 129 – estimativa da dose inicial para teste de toxicidade aguda oral sistêmica

Genotoxicidade

17) OECD TG 487 – teste do micronúcleo em célula de mamífero in vitro

 

Fonte: MCT; Foto: Beagle Dogs in Research for Animal Testing por Understanding Animal Re/ CC BY 2.0 

 

Um comentário para Quase metade dos brasileiros é contra testes em animais

  1. naria disse:

    Sou totalmente contra testes em animais!!!
    Que façam uso da tecnologia, e deixem os animais em pazzzzzzz!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *