MENU

Anterior

Como é o natal ideal de um gato?

Próxima

Próxima

Poses e fotos inéditas de gatos dormindo

Próxima

28/12/2013 Comentários (0) Visualizações: 28316 Cuidados Básicos, Curiosidades, Gatos

Dois gatos dão menos trabalho do que um?

adotar-segundo-gato.jpg

Existem muitos benefícios de possuir mais de um gato dentro de casa. Porém, antes de adotar um novo felino, é necessário entender o comportamento e as características do atual gato na casa, além de analisar o espaço dentro da casa e os motivos pelos quais você quer mais um bichano.

De modo geral, gatos demoram um tempo para se acostumar um com os outros.  Respeitar esse período de transição é um dos passos mais essenciais para garantir a boa convivência entre os dois gatos.

As vantagens de ter mais um gato em casa

Adquirir mais um gato, quando feito de forma correta, pode trazer vantagens para todos os moradores da casa.  Dito isso, você precisa analisar profundamente se o atual gato da casa gostaria de ter uma companhia felina e, se sim, quais características melhor complementariam esse gato.  Durante esse processo, considere fatores como:  a idade do gato, o sexo do felino, a experiência dos dois gatos com outros gatos, o tamanho da casa, o tempo que os passarão em casa, etc.

Animais que convivem juntos são mais propensos a praticar mais atividades físicas, são mais estimulados mentalmente e têm uma maior interação social. Além disso, a presença de um segundo gato em casa evita o problema do primeiro gato da família passar o dia todo sem distrações e estímulos mentais e, naturalmente queira brincar e ficar mais ativo a noite, quando o dono chega em casa.

Gatos que convivem juntos aguçam mais os seus instintos de gatos.  Isso ocorre por que eles começam a interagir mais com outros gatos do que com os humanos. Sendo assim, eles assumem os comportamentos normalmente associados a gatos e podem se tornar mais independentes.

Desvantagens de trazer um segundo gato para casa

A trazer um novo gato para a casa, você precisará dedicar tempo para garantir uma boa transição para ambos os animais.  Isso implica em tempo gasto para fazer uma transição gradativa, de forma garantir o bem estar e a boa convivência dos dois animais.

Além de tempo, será necessário comprar mais ração, além de uma cama e uma caixa sanitária a mais.  Vale notar que custos veterinários também irão aumentar.

Em alguns casos, há o fator de “ansiedade de coabitação,” que pode ocorrer quando um dos gatos tem um baixo nível de socialização.  Os felinos precisam de tempo para compreender os limites da convivência entre eles.

Filhotes e gatos até seu primeiro ano de vida são comumente mais ativos e, por isso, têm maior interesse em brincadeiras mais agitadas e que testem limites territoriais.  Em alguns casos, um adulto maduro calmo, com um histórico de comportamento mais sociável e maternal pode tolerar o comportamento inadequado de um gato jovem com habilidades sociais limitadas, ainda pode ser capaz de ensinar o comportamento mais adequado. No entanto, existem casos de gatos menos sociáveis que podem não ser nada pacientes caso o novo membro da família invada seu espaço.

Por esse motivo, e para evitar a ansiedade de coabitação, você precisa contemplar as características de ambos os gatos.  De modo geral, gatos aceitam filhotes mais facilmente que adultos e tendem a ser menos agressivos com felinos do sexo oposto.

Práticas para a boa convivência entre os gatos

A boa convivência entre os felinos é definida por uma única coisa: o espaço que há para eles dentro de casa.  De acordo com Centro de Nutrição para Animais Walthan, gatos que vivem em grupos costumam apresentar menos comportamentos ansiosos ou agressivos. Entretanto é necessário adotar algumas práticas para a boa convivência dos gatos. Confira 6 passos para estabelecer uma boa relação entre os gatos.

1.  Gatos precisam do seu espaço individual, onde eles possam ficar sem serem perturbados. Cada gato deve possuir ao menos 1 metro quadrado de espaço no chão e mais 2 metros quadrados de espaço vertical.

2. Uma cama deve ser dada para cada gato.  De modo geral, eles nem sempre gostam de ficar juntos e as vezes precisam de seu espaço.

3. Outro fator relevante é que cada gato possua a sua própria caixa de areia. Alguns gatos começam a fazer xixi no lugar errado quando percebem que a sua caixa sanitária já foi utilizada por outro gato.  Para a boa convivência entre os felinos é necessário que haja um número superior de caixas em relação aos gatos.

4. É importante garantir que o segundo e novo membro da família seja introduzido aos poucos, garantindo os melhores meios para a sua adaptação.  Donos devem inicialmente separar os gatos, até que ambos se sintam confortável em seu ambiente.  Somente neste momento, é possível trocar os objetos dos dois quartos para apresentar os cheiros aos gatos.  E somente depois, quando os gatos tiverem preparados, eles poderão ser apresentados.

5. Donos não devem dar mais atenção ao novo gato em frente do gato que já morava na casa.  Isso pode gerar comportamentos agressivos.

6. Gatos mais tímidos necessitam uma integração e interação extra com os donos e, principalmente, com os outros pets da casa.  Porém, essa interação não deve ser forçada, de forma não associar a experiência do gato no novo lar com algo negativo.

Foto: Ian Barbour  via Flickr / CC-BY-SA 2.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *