MENU

Anterior

Golden Retriever

Próxima

Próxima

Husky Siberiano

Próxima

Border Collie

Grupo da Raça (FCI): Cães Pastores e Boiadeiros

País de Origem: Reino Unido

Data de Origem: 1915

Altura: 45 - 55 cm

Porte: Médio

Peso: 13,5 - 21 kg

Tamanho do Pelo: Médio

Tipo da Pelagem: Macia, Lisa e Grossa

Expectativa de Vida: 12 a 15 anos

Cor: preto, marrom ou cinza, geralmente com traços brancos

Características da raça

Residência

Temperamento

Convivência

Cuidados básicos

Doenças comuns

Fotos de Border Collie

Envie sua foto pra gente

Mais sobre Border Collie

O border collie é um cachorro muito lembrado por sua inteligência, sendo um cão de grande capacidade de aprendizado e, por isso, muito utilizado em diversos filmes e propagandas.

 

Com porte médio e corpo harmonioso, esse cão pode chegar a medir 55 cm, sendo as fêmeas um pouco menores. Seu focinho é curto e afinado e seus olhos possuem tamanho médio e formato oval, sendo de cor marrom, com exceção para aqueles de pelagem merle, que têm olhos azuis. O pelo é liso e cheio, com textura grossa e subpelo denso e macio ao toque.

 

Seu equilíbrio e postura são impecáveis, o que o torna um cão perfeito para a prática de agility, entre outros exercícios e competições.

Origem

O border collie foi criado, inicialmente, para ser um pastor de ovelhas, e a raça foi, ao longo do tempo, sendo adaptada para melhor se encaixar nesse perfil. Desenvolvido por britânicos há mais de cem anos, esse cão exerce sua funcão desde o século XIV e há registros que datam de 1570 a presença do border collie como pastoreiro.

 

Na realidade, por volta de 1800, os cães pastores eram um grupo numeroso, na Grã-Betanha, e tinham a característica forte de saber como cercar o rebanho e deixá-lo perto do pastor. Porém, muitos desses cães não tinham uma postura completa e costumavam latir muito durante o percurso com as ovelhas. No ano de 1873, em um campeonato que buscava selecionar o melhor cão de pastoreiro, um cachorro se destacou por seu perfil no trabalho como pastor: ele não latia ou ameaçava as ovelhas, apenas as intimidava, ao ficar frente à frente com elas. Esse cão era Hemp, considerado como o pai original dos border collies.

 

Em 1906, um padrão fixo para a raça foi declarado, porém, ele era baseado no desempenho como pastor do animal, e não em sua aparência física. Foi então que, dos vários sheepdogs, que pode ser traduzido como cães de pastoreiro, o border collie ganhou seu nome e destaque, nome este que tem referência pautada em suas origens escocesas e inglesas, e que foi registrado em 1915. Porém, apenas em 1995, a AKC, que registra as genealogias dos cães puros, reconheceu os border collies.

Por que a raça foi criada?

O border collie foi criado com uma função clara e exata: trabalhar. Por isso, seu físico, até hoje em dia, é permeado por caracteristicas físicas fortes, já que, em seu papel de pastor de ovelhas, eram escolhidos para acasalar aqueles com melhor desempenho na função.

 

Até hoje, o border collie é tão conectado com suas funções originais que há associações que emitem documentações que avaliam as raças de pastoreiro e fazem competições para os melhores cães desse aspecto.

 

Os border são grandes cães de pastoreiro porque possuem o chamado “power eye”, que é a habilidade de dominar rebanhos grandes com um olhar fixo, não importando o seu tamanho. Até hoje, em algumas regiões da Grã-Betanha, cerca de 98% das fazendas usam cães de pastoreiro para domar o rebanho e mais da metade desses cães são borders collies.

Temperamento

Os cães da raça border collie sempre terão traços de trabalho em seu comportamento. Por isso, o foco na liderança de rebanhos influencia, também, no seu dia a dia. Por sua força, vitalidade e a necessidade de fazer o que sabe de melhor, domar rebanhos, é possível que, em um ambiente doméstico, o border tente cuidar de diversas coisas que possam substituir as ovelhas, como um grupo de adultos, crianças e até outros animais.

 

Esse cachorro costuma ser muito alegre e receptivo com as pessoas, principalmente se houver estímulos físicos, como brincadeiras, e não tem um perfil agressivo.  Por outro lado, essa inteligência e necessidade de trabalhar podem significar alguns problemas, pois, da mesma maneira que ele aprende com grande facilidade comandos, pode, também, adquirir comportamentos ruins e destrutivos, principalmente se ficar preso, o que indica que a raça não é recomendada para viver em apartamentos.

Típicos comportamentos

Um dos aspectos mais importantes no lado comportamental do border collie é a sua necessidade de fazer exercícios, físicos e mentais, por conta da sua alta conexão com seu lado pastoreiro. Por isso, é comum ele pedir atenção o tempo todo, principalmente se quiser passear.

 

Outro ponto comum no seu comportamento é olhar fixamente para animais e pessoas, como se eles fossem rebanhos de ovelhas que precisam ser domados, o que, no caso de outros animais, pode causar algum estranhamento e até brigas.

Treinamento e adestramento

No livro “A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o border collie está em primeiro lugar como o cão mais inteligente e obediente, avaliado por 199 juízes, dos quais 190 deram à raça a conquista.

 

Por conta disso, adestrar um border collie é fácil, e até por isso eles são cães bem recorrentes em filmes e propagandas. Os cães dessa raça não têm problemas em aprender truques e comandos mais complicados, como um longo percurso de agility, por exemplo.

 

Exatamente por esse perfil de fácil adestramento, é necessário, ao ensinar algo para um border collie, tentar enquadrá-lo e evitar comportamentos mais negativos, como a necessidade de destruir algo, o que pode pedir, algumas vezes, a ajuda de um especialista.

 

Ainda quando filhotes, os border collies já florescem seu lado de pastor de ovelhas, mesmo antes de um ano de idade. Com isso, eles acabam se desenvolvendo mais rápido que outras raças, são cheios de energia e gostam de aprender algo novo, a cada dia.

Cuidados específicos

Por sua energia excessiva, o principal cuidado com um border collie é focar nos exercícios, que devem ser realizados todos os dias. Ele não é um cão para ficar preso, pois pode se estressar fortemente, o que ocasionará problemas maiores, como depressão, ansiedade e, principalmente, estimular um perfil destrutivo. Por isso, um border collie precisa viver em lugares com um bom espaço para que, mesmo dentro da casa, ele possa brincar e correr. Apartamentos não são indicados para essa raça.

 

Os borders não seguem um padrão físico, já que o foco da raça é no trabalho. Portanto, eles podem vir em diversas cores de pelagem, como marrom, preto e avermelhado, pelagem esta que necessita ser escovada com frequência, para que não forme nós.

 

Em relação à saúde, o border tem alguns problemas hereditários, como a Atrofia Progressiva da Retina, que aparece por volta dos 4 anos. Com a evolução da raça, essa doença foi sendo cada vez mais diminuída nesses cães, e hoje atinge 1% dos cães pastoreiros da Inglaterra. A Anomalia de Olho do Collie, caracterizada pelo descolamento da retina, também aparece cedo e pode, até, se não tratada, causar a cegueira do cão. Hoje em dia, já existe um exame de DNA com o qual os criadores podem verificar e garantir que tais animais não passarão a doença para seus filhotes.

 

Quanto à sua alimentação, é importante frisar que a dieta que o cão receberá quando filhote ditará o condicionamento físico e sua saúde quando adulto, e satisfazer as necessidades nutricionais de um border collie que ainda está em fase de crescimento é fundamental para seu desenvolvimento completo.

 

De modo geral, a dieta de um border collie precisa oferecer o essencial em vitaminas, sem muito ou pouco, focando nas características da raça e no tamanho do cão. Um veterinário experiente pode ajudar nessa adaptação e em como alimentar adequadamente um border collie.

Curiosidades

A pelagem do border collie, apesar de vir em várias cores, nunca terá a predominância branca, ou seja, o branco aparecerá, mas nunca em maior quantidade que a outra cor apresentada. O border collie ficou mais conhecido mundialmente após o filme “Baby, o porquinho atrapalhado”, no qual aparecia um cão da raça em ação como pastor de ovelhas.

 

O border collie vive, em média, de 10 a 14 anos, e essa expectativa é muito relacionada com o tipo de vida que o cão leva, principalmente se possui uma alimentação ideal para suas atividades físicas constantes e se pratica exercícios constantemente.

 

No Brasil, existe uma associação que busca desenvolver o pastoreiro de rebanhos no país, a ABBC, Associação Brasil Border Collies¹, que tem foco nos border collies.

 

Por conta da sua alta resistência e tolerância à dor, bem comuns à raça, o border collie pode mascarar diversas doenças, que, muitas vezes, são descobertas em estágios mais avançados. Por isso, é necessário que esse cão sempre visite um veterinário para exames de rotina.
Em 2011, pesquisadores descobriram que os border collies podem compreender e diferenciar mais de mil nomes de objetos, sabendo, exatamente, qual devem pegar. Os responsáveis pela pesquisa, John Pilley e Alliston Red, usaram a cadela Chaser para o experimento, que aprendeu 1022 palavras, sem esquecê-las em nenhum momento. Eles fizeram mais de um experimento para certificar que Chaser entendia o nome do objeto e não o comando para buscar tal objeto. Além disso, foi verificado que a cachorra entendia os nomes por categorias de objetos ou substantivos comuns, e não somente por substantivos próprios ou individuais.

Navege por outras raças de cachorros

Bom para apartamento

68% concordam x 32% discordam

Eu...